Impressora 3D para produção de talas ortopédicas

Impressora 3D para produção de talas ortopédicas

No lugar do gesso ou talas tradicionais, um imobilizador feito de plástico termomoldável e biodegradável, com design inovador e produzido por impressora 3D.  Essa é a mais nova novidade do Hospital Santa Rita, que adquiriu uma impressora 3D de órteses, em parceria com a startup Fix it, para o desenvolvimento de peças para imobilização articular.

A impressora já chegou no Hospital e, hoje (5/2), começa o treinamento da equipe. A previsão é de que, ainda neste mês de fevereiro, já seja possível fazer uso dessa nova tecnologia.  

O objetivo, informa o ortopedista Gustavo Monte, chefe do Serviço de Ortopedia do Pronto-Socorro do Santa Rita, é proporcionar ao paciente algo mais personalizado e leve para recuperar lesões ortopédicas em pessoas que necessitam de imobilização. A impressora 3D também desenvolve soluções que auxiliam, de forma geral, no procedimento de fraturas e na recuperação de casos pós-cirúrgicos.

O médico acrescenta que a órtese ou tala preparada na impressora é feita sob medida para o paciente. O tempo entre a conferência das medidas e a confecção da tala é de cerca de 20 minutos. Em seguida, com o material ainda maleável, é feita a colocação no membro a ser imobilizado. “O processo de imobilização é bem semelhante ao das talas com gesso”, informa o ortopedista.

Sem desmerecer as tradicionais técnicas de imobilização, essa nova tecnologia produz peças que se adaptam à anatomia do corpo, além de serem arejadas, higienizáveis, resistentes, à prova d’água e não alergênicas, o que proporciona melhor conforto e liberdade aos pacientes.  

Os imobilizadores de plástico termomoldável e biodegradável foram testados por grandes ortopedistas e são considerados muito eficazes.

Artigos Relacionados