Inteligência artificial no diagnóstico e na definição de conduta terapêutica no AVC

Inteligência artificial no diagnóstico e na definição de conduta terapêutica no AVC

O Hospital Santa Rita acaba de adquirir o mais moderno software de inteligência artificial que, junto à experiência médica, permite uma avaliação rápida, segura e precisa da área que sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) isquêmico.  Por meio desse software, denominado RAPID, a equipe médica consegue avaliar com maior rapidez e precisão qual a conduta mais adequada para o paciente de forma individualizada, baseado no padrão do fluxo sanguíneo especifico de cada um.

Com isso, o Santa Rita é o Hospital pioneiro no Espírito Santo a disponibilizar aos pacientes a mais nova tecnologia que permite reduzir o tempo de diagnóstico e de tratamento dessa doença, eliminando ou reduzindo ao máximo as possíveis sequelas.

O RAPID estará disponível a partir do dia 1º de março.  Trata-se de um software que fica acoplado ao tomógrafo do Hospital para que, no momento da realização do exame de tomografia computadorizada (essencial em suspeitas de AVC) o resultado do exame seja enviado, via celular, para a equipe médica estudar o caso e definir o tratamento no menor tempo possível.

Isso significa que as equipes de neurologia, neurocirurgia, neurorradiologia diagnóstica e neurorradiologia intervencionista (neurointervenção) do Hospital Santa Rita receberão, em tempo real, nos seus aparelhos celulares, o resultado do exame separado por cores que indicam as áreas atingidas de forma definitiva e também as áreas do cérebro que, apesar de atingidas, ainda possuem viabilidade de tratamento desde que seja feita a desobstrução do local – o que os médicos chamam de “zona de penumbra” ou “área cerebral ainda viável”.

Mais segurança e tempo de tratamento
De acordo com a equipe de neurocirurgia do Hospital Santa Rita e do Instituto de Cardiologia do Espírito Santo (Ices) – unidade Santa Rita, por meio desse software é possível tomar decisões mais objetivas e de maneira segura na assistência ao paciente com AVC. O software ajuda a selecionar os pacientes que se beneficiarão de um procedimento percutâneo para a remoção do trombo que está obstruindo a artéria, pois em muitos casos, o cérebro, apesar de “isquemiado”, ainda tem condições de ter as funções neurológicas retomadas caso a artéria obstruída seja desobstruída. Essa desobstrução é feita por meio de um procedimento denominado trombectomia mecânica, realizado em sala de hemodinâmica”.

Estudos recentemente publicados e com nível de evidência muito alto demonstraram que alguns pacientes podem manter a viabilidade do cérebro isquemiado por até 24h. Nesses pacientes, a remoção do trombo, ainda que de forma tardia, minimizou de forma significativa ou mesmo reverteu de forma completa as sequelas neurológicas. Atutalmente, o software RAPID é o único recurso tecnológico existente capaz de dectar, com precisão, quais são esses pacientes que se beneficiarão de um tratamento em fase mais tardia (até 24h do início dos sintomas).

O RAPID é uma inteligência artificial que está sendo utilizada em grandes hospitais do Brasil, como Sírio Libanês e Mater Dei, e já está fazendo grande diferença no tratamento do AVC.  Seu uso é relativamente novo. A partir de janeiro de 2018, estudos revolucionaram o tratamento quando comprovaram a viabilidade de tratar pacientes além das seis primeiras horas do AVC para até 24 horas desde o início dos sintomas, com o uso do RAPID.  

As equipes médicas acrescentam que a agilidade e eficiência do RAPID, somada à experiência médica, fizeram com que a quantidade de pacientes elegíveis para tratamento pós AVC isquêmico saltasse de 12.285, em 2017, para 25.269 em 2018 – considerando apenas os hospitais que utilizam o software RAPID.

O grande desafio agora, acrescenta ele, “é educar a população para os principais sinais e sintomas do AVC. Conscientes desses sinais, os pacientes chegarão o mais precocemente possível à nossa emergência – onde já estaremos prontos com o que há de mais moderno para atendê-lo”.

 
COMO FUNCIONA O RAPID
 

  • Paciente chega do Pronto-Socorro e, no atendimento inicial, há a suspeita de AVC. Uma equipe especializada é notificada sobre a situação do paciente.

 

  • Rapidamente uma tomografia computadorizada é realizada. O diagnóstico é enviado à equipe médica para análise e definição do tratamento enquanto o paciente finaliza os procedimentos na sala de exames.

 

  • A equipe médica, que já recebeu em seus dispositivos móveis o resultado do exame com a análise feita pelo software RAPID dividida por cores, avalia o tratamento a ser realizado.

 

PRINCIPAIS SINTOMAS DO AVC
 

  • Nos músculos: dificuldade para caminhar, fraqueza em um dos lados do corpo, fraqueza muscular, incapacidade de coordenar movimentos musculares, instabilidade, músculos rígidos, paralisia com músculos fracos, problemas de coordenação, paralisia de um lado do corpo ou reflexos hiperativos.

 

  • Na visão: perda temporária da visão em um olho, súbita perda da visão, visão dupla ou visão embaçada.

 

  • Na fala: dificuldade de fala, fala arrastada ou perda da fala.

 

  • Sensorial: formigamento ou redução na sensação de tato.

 

  • No rosto: dormência ou fraqueza muscular.
  • No corpo: tontura ou vertigem.

 

  • Na cognição: confusão mental ou incapacidade de falar ou de entender o próprio idioma.

 

  • Também é comum: dificuldade em engolir, dor de cabeça, fraqueza de um membro ou movimento rápido involuntário dos olhos.

A EQUIPE DE NEUROCIRURGIA DO HOSPITAL SANTA RITA


Da esquerda para direita superior:
Tiago Hilton Vieira Madeira, Clauder Oliveira Ramalho, Alexandre Nascimento Ottoni, Lucas Vieira Madeira, Sérgio Pinheiro Ottoni e Thiago Lyrio Teixeira

ALGUNS EXEMPLOS DE IMAGENS ENVIADAS PELO RAPID

Artigos Relacionados

Setor de Endoscopia modernizado!

Nosso Setor de Endoscopia está totalmente modernizado. Mais aconchegante e mais confortável para atender tanto os pacientes quanto os médicos e as equipes de trabalho,

Ler mais